tags

todas as tags

links

posts recentes

Manel Cruz: "Continuaremo...

Maria Rueff: "Vou perder ...

Miguel Relvas: "Seria imb...

Teresa Caeiro: ""Fui ensi...

Diogo Infante: "Boato de ...

Ana Drago: "Beleza não é ...

Odete Santos: "Fazer as c...

Pedro Paixão: "Democracia...

Rui Zink: "Sou a favor do...

Adolfo Luxúria Canibal: "...

Carlos do Carmo: "Façam p...

Nuno Artur Silva: "PSD pr...

Júlio Magalhães: "RTP tem...

Bruno Nogueira: "José Sóc...

Mário Dorminsky: "Lisboa ...

Valter Hugo Mãe: "Há cria...

Anabela: "Seria um desafi...

António Barreto: "Se eu m...

José Luís Peixoto: "Queri...

Marcelo Rebelo de Sousa: ...

Carlos Pinto Coelho: "Qua...

António Pedro Vasconcelos...

Isabel Pires de Lima: "So...

Isabel Jonet: "Sócrates l...

Falancio e Neto: "Pacheco...

Vicente Jorge Silva: "Gos...

Luísa Mesquita: "Durão Ba...

Margarida Vila-Nova: "Ant...

Carlos Fiolhais: "Sampaio...

Edson Athayde: "António G...

Rodrigo Guedes de Carvalh...

Mário Claudio: "O Porto e...

Ana Gomes: "Uso o que for...

Carlos Magno: "Cavaco que...

Paulo Brandão: "Não sou u...

Guta Moura Guedes: "Não t...

Júlio Machado Vaz: "Nada ...

Vasco Graça Moura: "Marqu...

António Nunes: "Os portug...

Eduardo Cintra Torres: "O...

João Fernandes: "Permita-...

Joe Berardo: "Não sou tão...

Fernando Alvim: "Gosto de...

Pedro Santana Lopes: "Cad...

José Cid: "Tenho melhor c...

Francisco Moita Flores: "...

Miguel Ângelo: "Só em Por...

Nuno Cardoso: "Um tacho n...

Alfredo Barroso: "A Direi...

José Eduardo Agualusa: "N...

pesquisar

 

Junho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


arquivos

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

subscrever feeds

Quinta-feira, 26 de Julho de 2007

Sobrinho Simões: "É mau ter-se perdido o hábito das contas à moda do Porto"

 

 

Helena Teixeira da Silva

O desafio era convencer Sobrinho Simões, 59 anos, a despender tempo com um pingue-pongue pouco académico. Mas o investigador do IPATIMUP – dos maiores do mundo em  cancro – aceitou-o com a generosidade habitual. E com rigor científico: seis dias depois, como prometeu, eis as respostas , com direito a bónus: uma pergunta para Rui Rio.

Tendo um conflito com o correio electrónico, porque razão optou por responder-me por mail?

Não gosto de entrevistas telefónicas – não se vê a cara do outro e não se tem tempo suficiente para pensar – e tive medo que não percebesse a minha letra se lhe mandasse um fax.

E há a voragem do tempo, obsessão sua. Não consegue mesmo retirar prazer de coisas inúteis, que aparentemente não acrescentem nada e se esgotem no momento em que acontecem?

Gosto muito mais de pessoas do que de coisas. E das coisas, gosto sobretudo das que duram: livros, casas, pratos de louça, bicicletas, discos. (Não gosto de roupa nova, prefiro cinema ao teatro...)

A sua paixão pelo cinema inclui os filmes de cineastas portugueses?

Sou um apreciador de alguns Oliveiras (mais dos primeiros) e da maioria dos filmes de João César Monteiro e de Fonseca e Costa.

Numa família de médicos, é possível conversar sobre banalidades à hora da refeição?

Claro. Desde o tempo dos meus bisavós (também médicos) que as refeições familiares são momentos extraordinários de conversa, cacarejo e ternura que pouco têm a ver com a medicina.

Leva trabalho para casa?

Sempre, demasiado, numa pasta que me acompanha para toda a parte, despertando uma enorme irritação doméstica.

Fora da área profissional, do futebol e da família, o que consegue deixá-lo em estado de efervescência?

Não gosto tanto assim de futebol.

No Porto, as pessoas da sua geração falam sempre da existência de uma "tribo" à qual pertencem. Às vezes, parece só um grupo de pessoas, cujo denominador comum é o estrato social. É mais do que isto?

É mais do que isso: sentido de pertença, cumplicidade, falta de mobilidade social, alguma homogeneidade profissional, ética republicana, primado da acção sobre o discurso, ironia e humor q.b., boas contas, …[Aviso à navegação: Portugal está a dar cabo das profissões e isso é péssimo; também é mau ter-se perdido, generalizadamente, o hábito das contas à moda do Porto]

Consegue fazer um diagnóstico breve da cidade?

Um diagnóstico morfológico do Porto de que gosto muito, com certeza: cidade marítima, granítica, cinzenta, enevoada, sólida, segura. Como na medicina, o problema está mais no prognóstico do que no diagnóstico, mas esse não depende da cidade, depende de todos nós.

Tem em comum com o arquitecto Eduardo Souto Moura o "Prémio Pessoa". Também partilha o gosto pela Av. Dos Aliados?

A Avenida dos Aliados merecia ser melhor aproveitada. Valha a verdade que o não tem sido mais por culpa dos comerciantes e das gentes do Porto do que dos suspeitos-do-costume.

Posso perguntar-lhe onde investiu os cerca de 40 mil euros do prémio?

Fosse qual fosse a quantia – já não me lembro do valor exacto – sei que foi para o bolo comum da economia familiar.

Eduardo Barroso escreveu, uma vez, que num país que investe tão pouco na ciência, infelizmente, ninguém lhe pede (como a Mourinho) para fazer anúncios para a American Express ou para o BPI. Se lhe pedissem, era capaz de o fazer?

Não.

De quanto tempo precisa para se sentir realmente em férias?

Costumo sentir-me desligado do trabalho algures durante a terceira semana – cheguei até a ter uma teoria que apontava para um clique no  décimo oitavo dia de férias. Agora só faço mesmo três semanas.

Já lhe aconteceu, em Moledo, cruzar-se com Durão Barroso, onde ambos possuem casa. Falam de política, do estado do país ou cingem-se à cordialidade do cumprimento?

Não me lembro de ter conversado alguma vez com o Doutor Durão Barroso em Moledo.

Nas imensas viagens de trabalho que faz, tem a curiosidade de vasculhar a cidade onde dorme?

Sempre que posso, faço-o e faço-o a pé: cafés, livrarias, mercados, pontos altos, beira-mar, beira-rio... Infelizmente quase nunca tenho tempo.

Não exercendo prática clínica, acontece-lhe receber telefonemas de doentes que esperam de si uma solução?

Mais cartas e e-mails do que telefonemas (Protejo-me ao máximo das abordagens telefónicas). Mesmo sem ser capaz de resolver os problemas – nunca fiz clínica – sinto-me na obrigação de procurar ajudar, respondendo o melhor que sei. Não há pior para quem está doente do que a solidão e o desamparo.

Quando está doente, sente-se mais confortável a ser tratado por especialistas homens ou mulheres?

Procuro escolher os meus médicos pela competência, não pelo sexo. Começaram por ser antigos professores, depois colegas de curso e agora já são muitas vezes antigos alunos. É mais difícil lidar com a diferença de idade do que com a diferença de sexo (Lembro-me da surpresa que senti, há muitos anos, quando percebi que os policias de trânsito e os jogadores de futebol já eram mais novos do que eu.)

Tem algum vício que potencie qualquer tipo de doença?

O sedentarismo é o pior.

Explique-me, por favor, o cancro da tiróide como se eu tivesse cinco anos.

Não consigo explicar o que é um cancro a uma criança pequena (Nem sequer o que é a tiróide).

Se, por hipótese absurda, lhe dissessem que as temáticas que estuda atingiram um ponto em que não é possível acrescentar-lhe mais conhecimento, ainda assim, continuaria a investigar?

Penso que essa hipótese apenas se poderia pôr por limitações logísticas. A investigação apenas nos permite a aproximação ao que pensamos ser a verdade e é, por isso, virtualmente inesgotável.

Se fosse, por qualquer razão, igualmente absurda, fosse obrigado a prescindir de uma das suas actividades, qual seria?

Abandonaria a investigação científica e conservaria o ensino e a medicina diagnóstica, naturalmente empobrecidos pela falta de investigação.

Sei que vê o Dr. House. É mais parecido com ele na eficiência dos diagnósticos ou no mau feitio?

Acho que nem uma coisa nem outra, mas não tenho a certeza quanto ao mau feitio. Aprecio sobretudo no Dr. House a inteligência operacional que o leva a fazer as perguntas certas. Saber perguntar é muito mais difícil do que saber responder, por mais que a cultura portuguesa nos empurre no sentido contrário.

Philip Roth, um dos seus escritores preferidos, escreveu que "A grande partida biológica que nos pregam é que nos tornamos íntimos antes de sabermos alguma coisa acerca da outra pessoa". Faz sentido?

Estou em desacordo com uma primeira leitura, a puxar para o primário, da afirmação de Roth – a intimidade é consciente e afectiva, não é biológica. Elaborando um pouco mais, a afirmação faz todo o sentido, sobretudo se pensarmos o fim da frase no plural (as “outras pessoas”, que somos). Não é por acaso que co-organizei, na Porto 2001, o Programa “Os outros em eu”.

Já disse, várias vezes, que em Portugal ninguém parece ter capacidade para fazer perguntas. Que pergunta lançaria a Rui Rio?

Não me recordo de ter dito isso de forma tão abrutalhada mas, se calhar, disse. As perguntas-chave a Rui Rio andariam à volta do seguinte: O que fazer para aproximar o Porto de Barcelona?


publicado por JN às 03:37

link do post | comentar | favorito
|