tags

todas as tags

links

posts recentes

Manel Cruz: "Continuaremo...

Maria Rueff: "Vou perder ...

Miguel Relvas: "Seria imb...

Teresa Caeiro: ""Fui ensi...

Diogo Infante: "Boato de ...

Ana Drago: "Beleza não é ...

Odete Santos: "Fazer as c...

Pedro Paixão: "Democracia...

Rui Zink: "Sou a favor do...

Adolfo Luxúria Canibal: "...

Carlos do Carmo: "Façam p...

Nuno Artur Silva: "PSD pr...

Júlio Magalhães: "RTP tem...

Bruno Nogueira: "José Sóc...

Mário Dorminsky: "Lisboa ...

Valter Hugo Mãe: "Há cria...

Anabela: "Seria um desafi...

António Barreto: "Se eu m...

José Luís Peixoto: "Queri...

Marcelo Rebelo de Sousa: ...

Carlos Pinto Coelho: "Qua...

António Pedro Vasconcelos...

Isabel Pires de Lima: "So...

Isabel Jonet: "Sócrates l...

Falancio e Neto: "Pacheco...

Vicente Jorge Silva: "Gos...

Luísa Mesquita: "Durão Ba...

Margarida Vila-Nova: "Ant...

Carlos Fiolhais: "Sampaio...

Edson Athayde: "António G...

Rodrigo Guedes de Carvalh...

Mário Claudio: "O Porto e...

Ana Gomes: "Uso o que for...

Carlos Magno: "Cavaco que...

Paulo Brandão: "Não sou u...

Guta Moura Guedes: "Não t...

Júlio Machado Vaz: "Nada ...

Vasco Graça Moura: "Marqu...

António Nunes: "Os portug...

Eduardo Cintra Torres: "O...

João Fernandes: "Permita-...

Joe Berardo: "Não sou tão...

Fernando Alvim: "Gosto de...

Pedro Santana Lopes: "Cad...

José Cid: "Tenho melhor c...

Francisco Moita Flores: "...

Miguel Ângelo: "Só em Por...

Nuno Cardoso: "Um tacho n...

Alfredo Barroso: "A Direi...

José Eduardo Agualusa: "N...

pesquisar

 

Junho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


arquivos

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

subscrever feeds

Domingo, 30 de Março de 2008

Adolfo Luxúria Canibal: "Portugal é o país em que todos gostam de ter títulos"

Incendiário. Porventura demasiado incendiário para Braga, "cidade pacata, provinciana e beata", onde vive. Adolfo Luxúria Canibal, 49 anos, consultor jurídico e vocalista dos Mão Morta, perde facilmente a cabeça em palco; fora dele, não tira os pés do chão. Parece esquizofrénico - não é. É só mais enfadonho - como a vida.

No liceu foi sempre o melhor aluno. Era bem comportado?
Não. A prerrogativa de ser bom aluno servia para desculpar o mau comportamento.

Era possível tratar um professor da forma que vimos numa escola do Porto?
Completamente impensável.

Castigaria o seu filho se ele fizesse alguma coisa vagamente aproximada?
Aquele comportamento é tão inconcebível que o meu filho nunca o faria. Foi instruído para isso.

Sócrates, o filósofo, já dizia que 'as crianças são tiranas', que 'a juventude é mal educada, zomba da autoridade'. Não mudou nada?
Nada. As crianças continuam absolutamente tiranas. Tem a ver com a sua indistinção do bem e do mal, com a sua visão egocêntrica do mundo.

Há quanto tempo é que 'nesta latrina o ar se tornou irrespirável'?
Ui, há muito tempo já. Acho que nunca foi respirável.

Portugal ainda é o país daquela Mirandela, em que um polícia parou de o pontapear quando soube que afinal também é doutor?
É efectivamente o país em que toda a gente gosta de ter títulos para mandar para a frente.

O vocalista dos Mão Morta e o advogado são tratados de forma diferente?
Não consigo distinguir um do outro. Mas sim, acho que o tratamento é diferenciado. Não sei qual será melhor [risos].

Ainda acha que, hoje, 'o perigo não vem do excesso de confiança no futuro, mas da falta de futuro'?
Claro! As pessoas têm enorme descrença no futuro. Isso acabrunha-as e limita-as.

Não há política ou político que nos salve?
Neste sistema político, não há políticos que nos salvem, não.

Sente-se o "narrador da decadência"?
Sou um colocador de questões.

Nick Cave regressa a Portugal em Abril. Ainda seria capaz de fazer a primeira parte do concerto de pijama?
O contexto em que isso aconteceu pode voltar a acontecer. A utilização do pijama tinha a ver com acordar estremunhado e isso continua a acontecer.

Tem saudades dos motins gerados nos seus concertos ou a idade não perdoa?
[risos] Não tenho saudades. Num olhar nostálgico, os motins podem tornar-se simpáticos ou até motivo de orgulho. Mas quando acontecem, não são simpáticos.

A eterna associação dos Mão Morta ao episódio de 1993, em que o público destruiu o o Theatro Circo, em Braga, já começa a ser cansativa?
Todas as associações que cristalizem uma imagem num acontecimento são entediantes porque são redutoras - e essa é perfeitamente entediante.

Tal como a das navalhadas com que se autoflagelou numa perna, num concerto há cerca de 20 anos?
Exactamente. É absurdo reduzir 22 anos a um concerto.

Mas sente que pisou o risco em palco?
Muitas vezes, sim.

Tem a ver com perder a noção do que está a fazer quando está lá em cima?
Com isso e com o facto de haver uma transfiguração completa do real, efeito da música e do palco.

A sua atitude já foi mais incendiária. Adolfo Luxúria Canibal é cada vez mais apenas Adolfo Morais Macedo?
Um nunca deixou de ser o outro. Sempre foi uno. Nunca houve esquizofrenia a esse nível.

Mas cria personagens. O homem que destila ódio é uma dessas personagens?
Crio personagens, é verdade. Mas isso não implica que um seja o Canibal e outro o Macedo. Não são esses que eu crio - são outros.

Na vida é mais enfadonho do que no palco?
Muito mais. Porque a vida é muito muito mais enfadonha do que a criação, o sonho.

Enfadonho a ponto de ficar chateado quando revelam que usou cuecas cor-se-rosa?
Não, isso não me chateia nada. Mas já fico chateado quando escrevem publicamente coisas que só a mim dizem respeito. Isso sim, deixa-me furioso. Corto relações.

Passou do encanto ao desencanto total com a renovação do Theatro Circo. Porquê?
Porque o ego político a sobrepôs-se à inteligência e transformou num elefante branco um projecto que poderia transformar Braga no pedestal que a cidade merece.


publicado por JN às 03:26

link do post | comentar | favorito
|