tags

todas as tags

links

posts recentes

Manel Cruz: "Continuaremo...

Maria Rueff: "Vou perder ...

Miguel Relvas: "Seria imb...

Teresa Caeiro: ""Fui ensi...

Diogo Infante: "Boato de ...

Ana Drago: "Beleza não é ...

Odete Santos: "Fazer as c...

Pedro Paixão: "Democracia...

Rui Zink: "Sou a favor do...

Adolfo Luxúria Canibal: "...

Carlos do Carmo: "Façam p...

Nuno Artur Silva: "PSD pr...

Júlio Magalhães: "RTP tem...

Bruno Nogueira: "José Sóc...

Mário Dorminsky: "Lisboa ...

Valter Hugo Mãe: "Há cria...

Anabela: "Seria um desafi...

António Barreto: "Se eu m...

José Luís Peixoto: "Queri...

Marcelo Rebelo de Sousa: ...

Carlos Pinto Coelho: "Qua...

António Pedro Vasconcelos...

Isabel Pires de Lima: "So...

Isabel Jonet: "Sócrates l...

Falancio e Neto: "Pacheco...

Vicente Jorge Silva: "Gos...

Luísa Mesquita: "Durão Ba...

Margarida Vila-Nova: "Ant...

Carlos Fiolhais: "Sampaio...

Edson Athayde: "António G...

Rodrigo Guedes de Carvalh...

Mário Claudio: "O Porto e...

Ana Gomes: "Uso o que for...

Carlos Magno: "Cavaco que...

Paulo Brandão: "Não sou u...

Guta Moura Guedes: "Não t...

Júlio Machado Vaz: "Nada ...

Vasco Graça Moura: "Marqu...

António Nunes: "Os portug...

Eduardo Cintra Torres: "O...

João Fernandes: "Permita-...

Joe Berardo: "Não sou tão...

Fernando Alvim: "Gosto de...

Pedro Santana Lopes: "Cad...

José Cid: "Tenho melhor c...

Francisco Moita Flores: "...

Miguel Ângelo: "Só em Por...

Nuno Cardoso: "Um tacho n...

Alfredo Barroso: "A Direi...

José Eduardo Agualusa: "N...

pesquisar

 

Junho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


arquivos

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

subscrever feeds

Domingo, 16 de Março de 2008

Nuno Artur Silva: "PSD prova que depois de Santana ainda pode vir pior"

 

 

Lembra-se dos seus professores de liceu? Gostava que tivessem sido avaliados?

Lembro-me do Liceu Pedro Nunes na época 1975-1980. Toda a gente estava em autogestão e auto-avaliação. Os professores, mais do que avaliados, eram saneados.

 

Alguma professora foi responsável pelo argumentista em que se tornou?

Não tive a sorte de ter professores inspiradores. O que me fez argumentista foram os livros de BD e de aventuras que lia religiosamente. E a RTP que via todas as noites nos anos 60 e 70.

 

A RTP já não é inspiradora?

Muito raramente. Passou a haver outras estações mais inspiradoras, sobretudo internacionais.

 

No período em que ponderou assegurar a direcção de programas da RTP, houve quem tentasse "meter cunhas"?

Houve quem tentasse imediatamente muita coisa [risos].

 

Há quem defenda que o tempo livre fomenta a criatividade dos alunos. Descobriu o seu potencial criativo nos "furos" das aulas?

A grande aprendizagem foi feita nos intervalos das aulas. Descobri que adorava jogar futebol, coisa que fazia com imenso prazer e que não fazia mal. Posso dizer - retrospectivamente e com vaidade - que era um jogador criativo.

 

Ainda joga futebol?

Devia, mas já não.

 

A ministra da Educação colocou-se a jeito para a manifestação dos 'cem mil'?

Muito a jeito. Simpatizo mais vezes com a razão da ministra do que com a dos sindicatos. Mas antes disso, estou com os professores, que precisam de tempo livre para motivar os alunos. A motivação vem sobretudo de um sistema que não os aprisiona em estupidezes burocráticas.

 

Uma classe com medo de ser avaliada não condena o país ao Portugal dos pequeninos?

Não é a questão de ser avaliado - é por quem, de que forma e em que circunstância. É preciso é que o método de avaliação seja claro e premeie os bons professores e não os bons burocratas.

 

Qual das alas - ministério/docentes - representa melhor o eixo do mal?

Não quero diabolizar o ministério nem os professores nem os sindicatos, mas o eixo do mal é transversal.

 

O homem da Educação escolhido por Luís Filipe Menezes, Pedro Duarte, está à altura do debater o problema?

O problema do PSD é que não está à altura de nada. Há muitos anos. Esta embaraçosa direcção do PSD prova que, depois de Santana Lopes, ainda pode vir pior.

 

O que pode revelar ao país do ministro da Cultura, António Pinto Ribeiro, ex-sócio da Produções Fictícias (PF)?

Nada [risos].

 

Mas imagina-o a sobreviver em 2009, caso José Sócrates sobreviva também?

Imagino. Se sobreviver como ministro é óptimo para o país e pior para ele. Se sobreviver como não-ministro é óptimo para ele.

 

Há muita gente a pedir para estagiar na sua PF?

Neste momento há muita, muita gente. Mas somos uma pequena produtora. Não temos capacidade de decidir fazer este programa ou aquela série. Isso continua nas mãos dos mesmos do costume. Em Portugal não há indústria independente audiovisual. Dependemos dos três ou quatro directores de programas que têm decidido tudo o que se deve por no ar.

 

É sensível aos novos talentos ou receia um novo 'gang' de argumentistas com mais piada do que os seus?

Vivemos há 15 anos de novos autores. Todos começámos como um novo talento. Não somos um gang; somos uma rede de gangs. Cada argumentista é, ele próprio, um gang com os seus heterónimos. É assim desde Pessoa.

 

Sem medo da concorrência?

Não tenho receio nenhum porque estamos sempre a evoluir para outras coisas. É muito estimulante que apareçam pessoas novas. Obrigar-nos-á a fazer ainda melhor ou a partir para outra.

 

Sente que a sua produtora colocou o país a rir?

Há muita gente que coloca o país a rir, nem sempre pelas melhores razões. Mas uma das melhores sensações que há é fazer rir uma pessoa. Se nós contribuímos para isso, óptimo. Sobretudo porque o fazemos voluntariamente.

 

Qual é a frase que assinou de que mais se orgulha?

Não sou muito de me orgulhar; sou mais de ficar feliz. Mais do que frases, o que tenho feito melhor é ter tido algumas ideias.

 

O que é que não aconteceu em 2008, e gostava mesmo que já tivesse acontecido?

Que o país tivesse ficado subitamente civilizado.


publicado por JN às 04:33

link do post | comentar | favorito
|