tags

todas as tags

links

posts recentes

Manel Cruz: "Continuaremo...

Maria Rueff: "Vou perder ...

Miguel Relvas: "Seria imb...

Teresa Caeiro: ""Fui ensi...

Diogo Infante: "Boato de ...

Ana Drago: "Beleza não é ...

Odete Santos: "Fazer as c...

Pedro Paixão: "Democracia...

Rui Zink: "Sou a favor do...

Adolfo Luxúria Canibal: "...

Carlos do Carmo: "Façam p...

Nuno Artur Silva: "PSD pr...

Júlio Magalhães: "RTP tem...

Bruno Nogueira: "José Sóc...

Mário Dorminsky: "Lisboa ...

Valter Hugo Mãe: "Há cria...

Anabela: "Seria um desafi...

António Barreto: "Se eu m...

José Luís Peixoto: "Queri...

Marcelo Rebelo de Sousa: ...

Carlos Pinto Coelho: "Qua...

António Pedro Vasconcelos...

Isabel Pires de Lima: "So...

Isabel Jonet: "Sócrates l...

Falancio e Neto: "Pacheco...

Vicente Jorge Silva: "Gos...

Luísa Mesquita: "Durão Ba...

Margarida Vila-Nova: "Ant...

Carlos Fiolhais: "Sampaio...

Edson Athayde: "António G...

Rodrigo Guedes de Carvalh...

Mário Claudio: "O Porto e...

Ana Gomes: "Uso o que for...

Carlos Magno: "Cavaco que...

Paulo Brandão: "Não sou u...

Guta Moura Guedes: "Não t...

Júlio Machado Vaz: "Nada ...

Vasco Graça Moura: "Marqu...

António Nunes: "Os portug...

Eduardo Cintra Torres: "O...

João Fernandes: "Permita-...

Joe Berardo: "Não sou tão...

Fernando Alvim: "Gosto de...

Pedro Santana Lopes: "Cad...

José Cid: "Tenho melhor c...

Francisco Moita Flores: "...

Miguel Ângelo: "Só em Por...

Nuno Cardoso: "Um tacho n...

Alfredo Barroso: "A Direi...

José Eduardo Agualusa: "N...

pesquisar

 

Junho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


arquivos

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

subscrever feeds

Terça-feira, 28 de Agosto de 2007

Paulo Brandão: "Não sou um jogador tão caro como gostaria"

 

Helena Teixeira da Silva

 

É um dos programadores mais cobiçados. E, ao mesmo tempo, um dos mais temidos – os equipamentos que programa parecem sempre condenados ao sucesso. Paulo Brandão,  40 anos, director artístico do Theatro Circo, em Braga, responde por mail à entrevista, numa pausa da mudança de casa.

 

Confima o slogan: "É bom viver em Braga"?
Muito bom. Como no Silvas; a Jo-Jo's tem todos os discos de que preciso; a Centésima Página é visita obrigatória todas as semanas; o Circo dá-me a adrenalina; no Latino faço o balanço. Durmo em Famalicão.

Já se converteu ao lado mais católico da cidade?
Não sou fácil de converter a coisa alguma. Em Braga, a minha religião é a do Theatro Circo.

A sua transferência da Casa das Artes em Famalicão para o Theatro Circo (TC) em Braga foi como subir da liga de honra à primeira divisão?
Não gosto de analogias com o mundo do futebol, mas respondo com uma: na vida, vejo-me mais como massagista de uma equipa feminina (a divisão não importa). O que importa são os resultados.

O Paulo é um jogador caro?
Não tão caro como gostaria. 

Tem sido recorrente a comparação da sua programação com a da Casa da Música (CM). É o seu próximo campeonato?
A Casa da Música tem um excelente programador. Não é o meu "próximo campeonato". Mas qual o programador que não gostaria de a programar?

Há competição entre os dois equipamentos?
Não há competição. Mas os espectadores é que devem decidir.

Ambos decidiram ter países convidados: Espanha, no caso da CM; França e Alemanha, no caso do TC. Há coincidências?
Há coincidências, certamente.

Ao colocar Famalicão e Braga no mapa está também a colocar lá o seu próprio nome?
Os mapas também são feitos de pessoas. Aliar o meu nome a Famalicão e a Braga é uma honra.

O facto de antes, como agora, estar sempre tudo centralizado em si é uma exigência sua?
É uma forma de trabalhar. Embora passe os dias a descentralizar pelos meus colaboradores.

O que achou da petição "Contra o compadrio cultural de Braga", que ainda está a circular na Internet?
Desconheço a petição. Não gosto de compadrios pela negativa.

Encara a política da cidade como território de padrinhos?
A cultura precisa de "padrinhos". Muitos. Aproveito para lhe indicar que o Theatro Circo anda à procura de Mecenas.

Ainda não está há um ano no TC e já houve quem pedisse a sua demissão. Como reage?
Ponho na balança. A minha demissão, porquê!?

O financiamento de políticas culturais é mais fácil de obter em autarquias laterais, isto é, fora do eixo Porto-Lisboa?
As autarquias não têm dinheiro. O Ministério da Cultura não tem dinheiro. O país não tem dinheiro. A solução é fazermo-nos cada vez melhores.

"Não será por falta de verba que esta casa não fará espectáculos", disse Mesquita Machado. É um privilegiado?
A situação de privilégio não é minha, é de Braga e de todos os que frequentam o Theatro Circo.

Ainda é espectador do TeatroNacional S.João, onde trabalhou oito anos?
Sempre que posso. Ricardo Pais é um esteta que muito admiro.

Se um produtor privado quisesse gerir o TC, como reagiria?
Não sei se tal será possível. O dinheiro não pode ser tudo.

Braga ajudou a encurtar a distância de Lisboa?
Braga, Bragança, Famalicão, Guimarães e Vila Real são exemplos que têm vindo a encurtar culturalmente a distância. Lisboa, em relação a nós, é que está cada vez mais longe.

Assistiria mais depressa a uma corrida de carros ou a um concerto de John Zorn?
Compreendo a sua pergunta e confesso que não nutro grande admiração pelo senhor Rui Rio. Assistiria com agrado a um concerto de Zorn, por exemplo, no Rivoli. Mas também não me faria mossa assistir a uma corrida de automóveis em frente ao Theatro Circo.

 

 

 


publicado por JN às 03:46

link do post | comentar | favorito
|